jump to navigation

Os Livros de Ramatis são confiáveis? outubro 21, 2008

Posted by arturf in Allan Kardec, Livro dos Médiuns, Revista Espírita.
trackback


Nosso objetivo neste blog, como já dissemos alhures, é o de reunir todas as falhas e heresias de cunho científico e doutrinário do espírito Ramatis, cujos conceitos vêm contaminando o Movimento Espírita Brasileiro, de tal forma que muitos consideram esse espírito um verdadeiro reformador da Doutrina Espírita, um enviado, um missionário, o que absolutamente não é verdade.

Seus ditados, como vocês poderão ver, contém uma série de inexatidões que não podem ser deixadas de lado, como sugerem alguns, a título de caridade ou por ele não se dizer “espírita”, como se isso o autorizasse a enganar ou ensinar falsos conceitos, e, o que é pior, para um público predominantemente espírita, causando uma confusão em nosso meio de proporções gigantescas.


Seguimos, pois, o exemplo dado por Allan Kardec, que, por influência dos ensinos dos Espíritos Superiores, foi estimulado e estimulou qualquer indivíduo sério a esse trabalho de análise das comunicações. Os trechos abaixo demonstram bem essa realidade:

“… Submetendo-se todas as comunicações a rigoroso exame, sondando e analisando suas idéias e expressões, como se faz ao julgar uma obra literária e rejeitando sem excitação tudo o que for contrário à lógica e ao bom senso, tudo o que desmente o caráter do Espírito que se pensa estar manifestando, consegue-se desencorajar os Espíritos mistificadores que acabam por se afastar, desde que se convençam de que não podem nos enganar. Repetimos que este é o único meio, mas é infalível porque não existe comunicação má que resista a uma crítica rigorosa. Os Espíritos bons jamais se ofendem, pois eles mesmos nos aconselham a proceder assim e nada têm a temer do exame…”(item 266) O Livro dos Médiuns – Kardec – Lake – pg. 222 e 236

“O Sr. Allan Kardec propôs, como objeto de estudo, o exame aprofundado e detalhado de certos ditados, espontâneos ou outros, que se poderiam analisar e comentar, como se faz nas críticas literárias. Esse gênero de estudo, teria a dupla vantagem de exercer a apreciação do valor das comunicações Espíritas, e, em segundo lugar e por conseqüência mesmo dessa apreciação, desencorajar os Espíritos enganadores que, vendo todas as suas palavras criticadas, controladas pela razão, e finalmente rejeitadas desde que tenham um sinal suspeito, acabariam por compreender que perdem seu tempo. Quanto aos Espíritos sérios, poder-se-ia chamá-los para pedir-lhes explicações e desenvolvimentos sobre os pontos de suas comunicações que tivessem necessidade de serem elucidados. A Sociedade aprovou essa proposição.”
Revista Espírita – Allan Kardec – Maio/1860 – IDE – 1a edição – pg. 131

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: