jump to navigation

Ramatis dita ficção e não realidade, assim como Hollywood novembro 24, 2009

Posted by arturf in 2012, Nibiru, planeta chupão, profecia Maya, profecias.
add a comment


Já tratamos várias vezes do assunto “profecias” e sobre previsões de destruição do planeta feitas por Ramatis por diversas vezes neste nosso espaço virtual e também em palestras, e verificamos que volta-e-meia aparecem indivíduos afeitos a esse tipo de mensagens recheadas de catastrofismo, defendendo com unhas e dentes a veracidade de tais ditados.

Com o lançamento do filme “2012”, o debate pareceu reacender, já que aqueles que acreditam nessas tais previsões passaram a ver na citada obra cinematográfica uma confirmação dos ditados ramatisistas e de tantos outros indivíduos, encarnados e desencarnados, aturdidos pelo desejo de espalhar o terror e o pânico.

O renomado Jornal “The New York Times”, em recente reportagem sobre o tema, demonstrou muito bem a boa dose de irracionalidade e desinformação que ronda a questão. Leiamos:

Cientistas criticam proposta de “2012” e indicam cenários de fim do mundo

DENNIS OVERBYE
do New York Times

“A Nasa (agência espacial norte-americana) criticou a Sony em outubro por sugerir, em sua campanha publicitária para o filme “2012”, que o mundo acabaria em 2012.

No ano passado, o Cern (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares), também assegurou que o mundo não acabaria tão cedo – portanto, acho que tudo isso é uma boa notícia para quem fica nervoso facilmente. Com que frequência vemos duas instituições científicas top de linha como essas nos garantindo que está tudo bem?

Por outro lado, é meio triste, se você estava ansioso por tirar umas férias das prestações do imóvel para financiar uma última festança.

As declarações do Cern tiveram a intenção de aliviar temores de que um buraco negro sairia de seu novo Grande Colisor de Hádrons (LHC) e engoliria a Terra.

O pronunciamento da Nasa, na forma de vários posts em sites e um vídeo postado no YouTube, foi uma resposta a temores de que o mundo fosse acabar no dia 21 de dezembro de 2012, quando um ciclo de 5.125 anos conhecido como Grande Contagem no calendário maia teoricamente chegaria a um fim.

Filme

O burburinho em torno do fim dos dias atingiu o auge com o lançamento do filme “2012”, dirigido por Roland Emmerich, que já trouxe desgraças fictícias para a Terra anteriormente, com alienígenas e geleiras, em “Independence Day” e “O Dia Depois de Amanhã”.

No filme, o alinhamento entre o Sol e o centro da galáxia, no dia 21 de dezembro de 2012, faz com que o astro fique ensandecido e lance na superfície da Terra inúmeras partículas subatômicas ambíguas conhecidas como neutrinos.

De alguma forma, os neutrinos se transformam em outras partículas e aquecem o centro da Terra. A crosta terrestre perde suas amarras e começa a se enfraquecer e deslizar por aí.

Los Angeles cai no oceano; Yellowstone explode, causando uma chuva de cinzas no continente. Ondas gigantes varrem o Himalaia, onde governos do planeta tinham construído em segredo uma frota de arcas, nas quais 400 mil pessoas selecionadas poderiam se abrigar das águas.

Porém, essa é apenas uma versão do apocalipse. Em outras variações, um planeta chamado Nibiru colide com o nosso ou o campo magnético da Terra enlouquece.

Existem centenas de livros dedicados a 2012, e milhões de sites, dependendo de que combinação de “2012” e “fim do mundo” você digite no Google.

“Tolices”

Segundo astrônomos, tudo isso é besteira.

Grande parte do que se alega que irá ocorrer em 2012 está baseada em desejos, grandes tolices pseudocientíficas, ignorância de astronomia e um alto nível de paranoia”, afirmou Ed Krupp, diretor do Griffith Observatory, em Los Angeles, e especialista em astronomia antiga, em um artigo publicado na edição de novembro da revista “Sky & Telescope”.

Pessoalmente, adoro histórias sobre o fim do mundo desde que comecei a consumir ficção científica, quando era uma criança sem afeto. Fazer o público se borrar nas calças é o grande lance, desde que Orson Welles transmitiu a “Guerra dos Mundos”, uma notícia falsa sobre uma invasão de marcianos em Nova Jersey, em 1938.

No entanto, essa tendência tem ido longe demais, disse David Morrison, astrônomo do Ames Research Center da NASA, em Moffett Field, Califórnia. Ele é autor do vídeo no YouTube refutando a catástrofe e um dos principais pontos de contato da agência sobre a questão das profecias maias prevendo o fim dos dias.

“Fico com raiva de ver como as pessoas estão sendo manipuladas e aterrorizadas para alguém ganhar dinheiro”, disse Morrison. “Não há direito ético que permita assustar crianças para ganhar dinheiro”.

Desesperados

Morrison afirmou receber cerca de 20 cartas e mensagens de e-mail por dia de pessoas até da Índia, assustadas até o último fio de cabelo. Em uma mensagem de e-mail, ele anexou exemplos que incluíam uma mulher perguntando se deveria se suicidar, matar sua filha e seu bebê ainda no útero. Outra mensagem veio de uma pessoa questionando se deveria sacrificar seu cachorro, a fim de evitar o sofrimento de 2012.

Tudo isso me fez lembrar os tipos de cartas que recebi no ano passado sobre o suposto buraco negro do Cern. Isso também era mais ficção científica do que fato científico, mas aparentemente não há nada melhor que a morte para nos aproximar de domínios abstratos como física e astronomia. Nessas situações, quando a Terra ou o Universo não estão nem aí para você e seus entes queridos, o cósmico realmente se torna algo pessoal.

Morrison disse não culpar o filme por todo o burburinho, não tanto quanto os vários outros divulgadores das previsões maias e a aparente incapacidade de algumas pessoas (e isso se reflete em vários aspectos da nossa vida nacional) de distinguir a realidade da ficção. Porém, ele disse, “meu doutorado foi em astronomia, não em psicologia”.

Em mensagens de e-mail, Krupp disse: “Sempre estamos incertos em relação ao futuro, e sempre consumimos representações dele. Somos seduzidos pelo romantismo do passado longínquo e pela escala exótica do cosmo. Quando tudo isso se junta, ficamos hipnotizados”.

O porta-voz da Nasa, Dwayne Brown, afirmou que a agência não faz comentários sobre filmes, deixando essa tarefa para os críticos de cinema. No entanto, quando se trata de ciência, disse Brown, “achamos que seria prudente oferecer um recurso”.

Aquecimento global

Se você quer ter algo para se preocupar, afirma a maioria dos cientistas, deve refletir sobre as mudanças climáticas globais, asteróides ou guerra nuclear. Porém, se a especulação sobre as antigas profecias mexem com você, aqui estão algumas coisas, segundo Morrison e outros, que você deve saber.

Para começar, os astrônomos concordam que não há nada especial em relação ao alinhamento do Sol e do centro galáctico. Isso ocorre todo mês de dezembro, sem nenhuma consequência física além do consumo exagerado de panetones. De qualquer forma, o Sol e o centro galáctico não vão exatamente coincidir, nem mesmo em 2012.

Se houvesse outro planeta lá fora vindo em nossa direção, todo mundo já teria percebido. Quanto às violentas tempestades solares, o próximo auge do ciclo das manchas solares só ocorrerá em 2013, e será no nível mais suave, afirmam astrônomos.

O apocalipse geológico é uma aposta melhor. Já houve grandes terremotos na Califórnia, e provavelmente haverá outros. Esses tremores poderiam destruir Los Angeles, como mostrou o filme, e Yellowstone poderia entrar em erupção novamente com uma força cataclísmica, mais cedo ou mais tarde.

Nós e nossas obras somos, de fato, apenas passageiros frágeis e temporários na Terra. Porém, neste caso, “mais cedo ou mais tarde” significa centenas de milhões de anos – e haveria bastante aviso quando chegasse a hora.

Os maias, que eram astrônomos e cronometristas bons o suficiente para prever a posição de Vênus 500 anos no futuro, merecem coisa melhor.

O tempo maia era cíclico; especialistas como Krupp e Anthony Aveni, astrônomo e antropólogo da Colgate University, afirmam não haver evidências de que os maias achassem que algo especial ocorreria quando o marcador da Grande Contagem atingisse 2012. Existem referências em inscrições maias a datas antes e depois da atual Grande Contagem, afirmam os especialistas.

Sendo assim, continue pagando suas prestações normalmente.”

Indico também a leitura do artigo intitulado “Cientistas derrubam seis mitos sobre o fim do mundo

Anúncios

Planeta "X", Chupão ou Nibiru: Respondendo a um leitor ramatisista julho 12, 2009

Posted by arturf in Fim dos Tempos, Nibiru, planeta chupão, planeta X, profecia Maya.
2 comments


Um leitor anônimo escreveu um comentário, dizendo o seguinte:

“Respeito a opnião (sic) de vocês, mas estão um pouco desatualizados. Se não sabem, foi descoberto um planeta próximo a Plutão, denominado Planeta X, mas que anteriormente foi citado pelo medium Chico Xavier como o Planeta Chupão. Se voces ligarem a teoria espirita com a lógica, viriam que jamais ela errou, mas se exitam em falar sem ao menos saber em que se resume tal coisa. http://geniusvirtual.blogspot.com/2009/07/seria-o-apocalispe-o-planeta-chupao.html
Esse link acima é para a reportagem completa, e abaixo dela está a fonte. Essa repostagem nao é espirita, é científica.
Parem um pouco e leiam para depois falar.
É por isso que sempre digo: NÃO PODEMOS FALAR MAL DE ALGUMA COISA QUE NAO CONHECEMOS COMPLETAMENTE, APENAS SE APOIANDO EM SUPOSTOS COMENTARIOS OU SUPOSIÇÕES.”

Bem, vemos que o colega ramatisista parece convencido da existência do tal planeta Chupão.

Já dizia Adam Savage, co-autor do programa de televisão “MythBusters” , que os criadores de mitos e seus simpatizantes nunca desistem. “Eles dizem que você tem de manter a mente aberta”, disse ele, “mas rejeitam qualquer prova que não seja coerente com a tese deles”.

É exatamente o que ocorre com boa parte dos ramatisistas e suas teses exóticas.

Mas, vamos aos fatos, desmistificando a lenda.

Tradução do artigo escrito por Ian O’Neill na Universe Today em 21 de dezembro de 2008: http://www.universetoday.com/2008/05/19/no-doomsday-in-2012/
“De acordo com os defensores do apocalipse em 2012, algo bem grande chegará até nós. Por “algo grande” quero dizer uma entidade cósmica incontrolável (por exemplo: o Planeta X, Nibiru ou uma tempestade solar “assassina”), e por “nós” me refiro a todo o planeta Terra. Dar apoio a cenários apocalípticos em 2012 baseando-se no antigo calendário Maia parece estar tomando velocidade entre autores, sites na web, documentários e (pessoalmente meu favorito) os vídeos no Youtube. De acordo com eles, algo de mal se sucederá em torno da data de 21 de dezembro de 2012. Provavelmente a diferença mais interessante entre os cenários apocalípticos de 2012 e as profecias apocalípticas do passado é que quase todos os possíveis portadores do apocalipse (e os impossíveis… ou implausíveis) se auto-proclamam assassinos do planeta.

Por isso, neste artigo vamos abordar outro cenário apocalíptico astronômico, passaremos em revista a teoria de que um cometa atualmente vindo do espaço profundo fará sua lenta aproximação final em sua órbita parabólica até a Terra. Mas, antes que você fique preocupado, alegre-se em saber que a teoria do impacto cometário em 2012 é tão sólida como um saco vazio – não existe nenhum objeto observado lá fora e certamente não existe nenhuma evidência sugerindo que poderá haver um impacto cometário em 2012…

Vejamos aqui a razão…

Vendendo o apocalipse

Em quatro anos a partir de hoje (21 de dezembro de 2012), o mundo chegará a seu fim de acordo com alguns indivíduos equivocados. Os apocalípticos sempre começam seus argumentos usando um antigo calendário (além de uma alta dose de Códigos da Bíblia, I Ching e antigas escrituras cuneiformes sumérias) para apoiar suas novas e engenhosas formas em que o mundo acabará. Desgraçadamente, a maior parte das teorias está baseada em má interpretação científica super promovida e simples mentiras. Normalmente há algum livro a venda ou algum site da web querendo se promover. Além disso, sabemos que não há nada mais rentável que o medo.”

É interessante destacar que Ian O’Neill começou a escrever para Universe Today há justamente um ano, exatamente cinco anos antes do dia final do calendário Maia. Embora tal fato trata-se de uma mera coincidência, essa data é propícia para escrever-se um artigo sobre o ano de 2012 e Planeta Chupão expondo os mitos em volta dessas idéias.

“Provavelmente você dever ter visto a proliferação de anúncios do “Cometa de 2012″ em um amplo conjunto de web sites, assim decidi-me investigar esta teoria em particular para ver se há algo de verdade atrás das afirmações de que um cometa (ou “planeta-cometa”) está se aproximando da Terra em uma rota de colisão. Para encurtar uma longa história, posso dizer categoricamente que não há nenhum impacto cometário iminente. Qualquer acusação de sonegação de informação por parte do governo serve para esconder a ciência podre que citam os apocalípticos (igual a conexão Planeta X/Nibiru). Se realmente querem conhecer a história toda, continuem a ler…

Ameaça do cometa?

Antes de observar as afirmações por conta deste cenário apocalíptico, primeiro devemos estudar qual o risco do planeta Terra sofrer realmente um impacto de um cometa. Sabemos que a Terra já passou por choques e é praticamente certo que teremos novos impactos no futuro. Mas o horizonte está limpo por pelo menos algumas décadas para um novo cometa ou asteróide ofensor. De fato, os meteoróides em forma de pedaços de rocha são muito mais numerosos que os cometas gelados no sistema Solar. A Terra recebe impactos de vários meteoróides rochosos de tamanho consideráveis a cada ano (tomamos como exemplo o 2008 TC3, o primeiro impacto de meteoróide atmosférico previsto e que foi acompanhado).

Embora raros, os impactos planetários por cometas realmente ocorrem. Como já nos demonstrou o cometa Shoemaker-Levy 9 em 1994 quando fragmentos de 2 km de diâmetro desse objeto bombardearam a atmosfera de Júpiter, não devemos ser complacentes ao considerar um grande evento de impacto por cometas ou asteróides. O deslumbrante espetáculo de luz do cometa Shoemaker-Levy 9 na realidade estimulou os esforços para incrementar as pesquisas no céu vasculhando-o em busca de possíveis eventos de impactos catastróficos. Embora já se tenha identificado um vasto número de objetos próximos à Terra (NEOs), um número muito pequeno de NEOs tem sido considerado como de algum risco.

O asteróide de 270 metros de diâmetro 99942 Apophis provocou uma grande revolução em 2006 quando se converteu no asteróide com maior valor na escala de Torino de perigo de impacto. Espera-se agora que Apophis passará de forma segura perto da Terra em 2029, mas dependendo do desvio gravitacional provocado por a Terra em 2029, Apophis poderá passar através de um “buraco de ferradura” gravitacional, criando outra possibilidade de impacto em 13 de abril de 2036. Ainda assim, as possibilidades não merecem que sejam feitas apostas: você colocaria seu dinheiro em uma possibilidade de 1/45.000 de impacto do Apophis em 2036?

Existem outros corpos rochosos vagando lá fora, mas estes são na maior parte benignos. Certamente esses objetos não são uma ameaça para a vida cotidiana em 2012. Não obstante, devemos ser conscientes de que os asteróides são uma ameaça muito real para a humanidade no futuro. Como resultado de este aumento na consciência, tem-se descoberto e rastreado outros NEOs. Objetos tais como o 2.007 VK184, um asteróide de 130 metros de diâmetro pode causar problemas em um futuro próximo, mas a probabilidade de impacto ainda é extremadamente baixa. Os astrônomos da pesquisa do céu denominada Catalina Sky Survey estimam umas poucas datas de impacto para 2.007 VK184, mas as possibilidades nunca superam o valor de 0,037% para impacto com a Terra nos próximos 100 anos. Outros asteróides estão sendo atualmente rastreados e podem causar certa preocupação dentro de um século (embora nenhum ultrapasse o nível 1 da escala de Torino, e se isso ocorrer, a tendência natural é que voltem a cair para o nível 0 – “normal”).

Para abreviar, os céus estão livres de quaisquer impactos iminentes (certamente nos próximos 4 anos) de um asteróide. Os cometas não trazem tampouco um risco significativo. Não há nenhuma evidência astronômica que apóie outra opção.

Esse cenário não impede que organizações tais como a Fundação B612 do ex-astronauta da NASA Rusty Schweickart de planificar possíveis ameaças futuras de asteróides/cometas. Embora os filmes de Hollywood tentassem nos convencer que era uma boa idéia apenas explodir um cometa com uma bomba nuclear, a Fundação B612 não está de acordo. De fato, tal ação poderá ser péssima idéia. O que temos que ter em mente quando lemos sobre estudos de NEOs ou técnicas de desvio de asteróides/cometas é que necessitamos um grande período de tempo antecipado para ter alguma esperança de desviar o possível evento catastrófico de impacto. Tal não implica em uma preocupação imediata, é simplesmente uma precaução para salvaguardar o futuro próximo de nosso planeta.

Então, ao que tudo indica hoje, estamos a salvo de qualquer impacto astronômico. Isso não é o mesmo que dizer que não nos impactará um pequeno meteoróide. As grandes bolas de fogo têm ocorrido regularmente (lembrem-se do bólido de 21 de novembro no Canadá, e a mais recente bola de fogo em 6 de dezembro no Colorado, o maior desses fenômenos possivelmente foi causado por um meteoróide rochoso de 10 toneladas). Tampouco é como dizer que não descobriremos mais NEOs em curso nos próximos quatro anos (poderíamos, em tese, descobrir um objeto ameaçador amanhã), mas o ponto é que não existe hoje absolutamente nenhuma evidência de que um impacto cometário que acabe com nossa civilização terá lugar justamente em 2012. Qualquer afirmação em contrário é totalmente infundada.

Então, por que vemos tantos anúncios tratando de vender a teoria do “Cometa de 2012? Até onde posso dizer, está baseado em provas muito tênues. Então, vamos então acessar o aplicativo Google Earth para ver onde está o problema…

Se você tem instalado o Google Earth em teu computador pessoal, você ganhou a capacidade de olhar “acima” também, não só para a superfície da Terra. Mudando o software para observar o céu noturno, podemos ver as constelações e o programa nos guiará em uma deslumbrante viagem pelo o universo observável. Apesar desta sobrecarga de informação, o Google estaria escondendo algo de nós? Esta organização baseada em um descomunal motor de busca está tentando ativamente ocultar-nos as observações de um cometa que se dirige para nós?

Oriente o Google Earth para RA:5h 54m 00s, Dec: -6° 00′ 00″ e execute o zoom. Se você não tem o Google Earth, esta região pode também ser encontrada na versão on-line do Google Sky. Você verá então um espaço vazio retangular (também conhecido como a “Anomalia de Google” nas imagens celestes), justamente ao lado da Nebulosa de Orion, ao sul do Cinturão de Orion.

Nota: a constelação de Orión e conseqüentemente a “Anomalia de Google” estão em uma posição muito conspícua do céu noturno, observável com facilidade nos hemisférios norte e sul .

Este vazio é só aparente ao observarmos os dados óticos. Se você alternar o conjunto de dados para o estudo de microondas realizado pela Sonda de Anisotropia de Microondas Wilkinson (WMAP) encontrará este vazio preenchido com dados.

Da mesma forma, os dados infravermelhos também cobrem essa região bastante bem.

Então, a teoria da conspiração afirma que o Google está ocultando observações de um cometa que se aproxima. Mas existe outra alternativa para a teoria de conspiração do cometa: o cometa também é conhecido às vezes como o “planeta-cometa” e assim seria um candidato a Planeta X (mas eu pensava que o Planeta X era um candidato a anã marrom?). Sim, o Planeta X seria causa raiz de todos os cenários apocalípticos…

Tentarei resumir a seguir o tema do Planeta X de forma breve:

1) Os dados do observatório orbital IRAS

O planeta X? Essa é uma imagem comum nos sites web sobre o Planeta X. É este o tal Planeta X ou simplesmente uma galáxia jovem? (fonte possível: NASA)
O Satélite Astronômico Infravermelho (IRAS) foi um telescópio orbital que durou apenas 10 meses em 1983. Realizou uma pesquisa em infravermelho de todo o céu, dando como resultado algumas fantásticas observações de galáxias jovens ultra-luminosas e de “cirros” intergalácticos. Não obstante, antes que estes objetos fossem identificados formalmente, a mídia, em particular o Washington Post, apontou que alguns destes objetos poderiam ser o legendário Planeta X, nas imediações do nosso Sistema Solar. Esta é uma das teorias chave que os apocalípticos citam como o fato de que o Planeta X existe. Usando uma lógica duvidosa, vários autores afirmam que estas observações iniciais demonstram que o Planeta X é, de fato, o planeta sumério “Nibiru”. Nibiru é, portanto, uma anã marrom. Nesta teoria, morte e destruição se seguirá rapidamente, incluindo a aparição de uma raça alienígena conhecida como Annunaki (nossos ancestrais alienígenas) que querem que a devolução para eles do planeta. Isto soa como maravilhosa ficção científica, mas sem nenhum embasamento em fatos científicos.

Então será este “cometa de 2012″ realmente o tal Planeta X? Se é assim (passando por alto o fato óbvio de que um cometa não é um planeta e muito menos uma anã marrom), por que a Anomalia de Google só é uma mancha em dados ópticos? Se Google e a NASA estão tentando ocultar as provas de um “cometa” (eliminando uma região de dados óticos), certamente eles também teriam removido os dados de IRAS? Em qualquer caso, os dados de IRAS não mostram mesmo nenhum objeto na região da tal anomalia (confira no pequeno retângulo à esquerda da imagem, na parte inferior). Além disso, por que o Google deixaria uma janela tão óbvia nos dados ópticos, quando os mesmos poderiam ter sido eliminados apagando o tal suposto objeto “planeta-cometa” do conjunto de dados?

A conclusão é clara: a anomalia de Google é de fato causada por dados perdidos, pura e simplesmente. Não há ali nenhum cometa, é simplesmente causada devido à falta de dados, e tal não demonstra a existência de algo sinistro.

2) Olhe para cima!
Se você necessita de algo mais para convencer-se de que a teoria do “cometa/Planeta X de 2012″ é uma completa estupidez, pense na posição proposta para este cometa. A região do céu relacionada com a anomalia de Google está bem visível para a maior parte do planeta ao longo do ano, dado que esse retângulo está situado na constelação de Orión, justamente na vizinhança de algumas das estrelas e nebulosas mais conhecidas e estudadas (exemplos: Nebulosa da Cabeça do Cavalo e Grande Nebulosa de Orión). Se alguém tem suspeita sobre a anomalia de Google, por que não olhar diretamente por si mesmo? Os astrônomos amadores têm acesso a equipamentos óticos muito avançados, assim creio que se houvesse alguma suspeita do “planeta cometa” na região, esse objeto já sido observado (sem a ajuda do Google Sky).

Conclusão final

A verdade é que a teoria de a conspiração sobre o Planeta X é errônea, mas a teoria do cometa de 2012 é ainda pior. As possibilidades de que um grande planeta passe através do Sistema Solar interior em 2012 são as mesmas de as de um impacto cometário nessa data: nenhuma.

Não podemos prever o futuro, e nenhuma profecia antiga jamais apontará a existência de um cenário astronômico moderno de “fim do mundo”. Estou seguro que 2012 será um ano significativo por razões espirituais e religiosas, não estou debatendo isso. Não obstante, que os apocalípticos usem a ciência moderna para demonstrar suas criações apocalípticas imprecisas para seu lucro pessoal não só é somente irresponsável, mas também danoso para a nossa sociedade.”

Acreditamos que não necessito dizer mais nada, não é, caros leitores? Só pra concluir: o conhecimento dos seguidores de seitas apocalípticas, como a ramatisiana, é tanto, que o tal planeta “X” é chamado de “décimo segundo planeta”. Basta saber quais são o nono, o décimo e o décimo-primeiro…